Estado prorroga quarentena até o fim de maio

O governo do Estado de São Paulo anunciou no início da tarde desta sexta-feira (8), que a quarentena em todo território paulista será prorrogada até 31 de maio. É a terceira prorrogação do decreto que entrou em vigor em 24 de março.

Um dos argumentos dados pelo governador João Doria (PSDB), durante pronunciamento no Palácio dos Bandeirantes, foi o relaxamento do isolamento social, que de acordo com ele, contribui para elevar os índices de contaminação pelo covid-19.

Ainda segundo o que foi informado, a medida foi tomada de forma unanime de todos os integrantes do comitê de gestão que avalia a evolução da pandemia no Estado.

Programa São Paulo

O governado havia prometido divulgar nesta sexta-feira, as medidas do Programa São Paulo, que prevê a retomada gradativa da atividade econômica no Estado. De acordo com o governo, as regiões e municípios serão divididos por nível de risco: zona vermelha, zona amarela e zona verde.

Essa classificação levará em consideração a situação da pandemia e da capacidade do sistema de saúde local, com critérios-chave sobre casos, quantidade de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) disponíveis e testes para assintomáticos e suspeitos.

Lamentou

Ao anunciar que não será possível autorizar o início da retomada da atividade econômica no Estado, o governador lamentou, dizendo que gostaria de dar uma boa notícia na véspera do Dia das Mães, mas que na atual situação da pandemia isso não é possível, para evitar o colapso da Saúde.

“O colapso da Saúde aumenta o medo a insegurança e também o número de mortes, e tudo isso traz profunda tristeza”, declarou.

Ele prosseguiu, dizendo que o Brasil hoje é um País triste e que o medo é o pior conselheiro da economia, pois prejudica o consumo, afugenta investimentos e ataca os empregos.

“A quarentena felizmente está salvando vidas em São Paulo e em outros Estados brasileiros. Pessoas que poderiam ter adoecido e falecido estão em vida, agradecendo por estarem vivendo, convivendo com seus familiares e desfrutando ainda a vida e a longa vida que terão pela frente”, argumentou.

Ainda, segundo o governador essas pessoas estão bem porque se protegeram e foram protegidas pelo isolamento social.

“São vários os estudos que mostram como a quarentena evita a difusão da doença. Nós sabemos disso. A medicina sabe disso, os jornalistas sabem disso, as pessoas de bem do Brasil sabem disso. Só aquelas que não querem saber, que não querem perceber, que não querem reconhecer, não sabem que aqui em São Paulo estamos salvando vidas”, declarou.

Resultado

Ainda de acordo com o que foi divulgado, dados da USP (Universidade de São Paulo) de estudo recente apontam que 51 vidas foram preservadas todos os dias pelo isolamento social e pelas iniciativas tomadas pelo governo do Estado de São Paulo e pelos prefeitos dos 645 municípios.

Segundo Doria, a projeção é de que com a manutenção da quarentena, até 21 de maio serão preservadas 3.046 vidas.

Ele reforçou a necessidade de se manter os cuidados de prevenção e afirmou que decretar a quarentena, como aconteceu em São Paulo, não é uma tarefa fácil para nenhum governante.

Prevenção

“Nenhum cidadão, nenhum ser humano tem prazer em dar más notícias, mas não se trata de ter ou não este sentimento, trata-se de proteger vidas no momento mais difícil e mais crítico da história desse País”, disse.

E acrescentou: “como governador de São Paulo, ao lado do Bruno Covas, prefeito da capital de São Paulo, eu tenho a obrigação de fazer e aqui eu não sou político, aqui eu não ajo por instinto, aqui eu não ajo por pressão. Aqui eu atuo para defender vidas e assim continuarei fazendo”, completou.

Doria justificou que nenhum país do mundo conseguiu relaxar as medidas de isolamento social com a curva de contaminação em alta e de acordo com ele, o número de casos de covid-19 aumentou dramaticamente em abril.

“Estamos todos atravessando o pior momento desta pandemia, só não reconhece, só não vê, só não percebe, só não identifica aqueles que estão cegos pelo ódio ou cegos pela ambição pessoal” , argumentou.

 

Fonte: Hoje Mais